Sagacidade Humana

Sou um ser humano que segue apenas uma estrada
Seu nome estava como um rabisco na parede bruta da minha mente, Vida
Até então, não lapidada, eu a desconhecia completamente
E mesmo louco continuo vagando por este caminho,
Apenas com tais pensamentos pairando em minha mente tão frágil e passiva,
Sei que vou me encontrar em algum lugar e talvez seu nome comece a fazer alguma sentido
Loucuras que eu desconhecia gritavam em um vazio que eu carregava
Vazio esse que tornou minha mente em insana, em desconhecida… Em curiosa, em medrosa
Ah, eu cai. Cai tão inúmeras vezes que esqueci que eu tinha algo chamado força,
que eu tinha um destino e que esse destino podia apresentar-me todas as respostas
E cada resposta que eu busco há tantos e tantos anos ou talvez séculos, são as respostas que eu talvez já saiba, mas sou um pecador curioso e tentado por desejos obscuros.
Devo ser aquela criança de outrora que achava que sabia tudo;
Ao menos eu não conhecia as loucuras do mundo.
E ninguém as conhece tão bem como eu
Sim, tentações levaram-me a a pegar a minha espada de prata e cravá-la no mundo,
Era lutar para descobrir, para conhecer, ou morrer esquecido no vão do tempo
Meus caminhos, minhas guerras, minha vida, as tais loucuras, além de mim só o livro do destino tem os reais registros
Registros desconhecidos aos olhos virgens,
olhos que não viram a real e cruel face do mundo.
Há mais maldade e guerra no mundo do que as impostas por nossa própria consciência.
Onde estão todos os anjos, fadas e elfos que tanto idolatro e ainda não os vi?
Onde estão aqueles que com poderes sobre-humanos curam a doença da vingança, o câncer chamado ódio,
aqueles que tem o remédio milagroso para salvar uma vida por milhares de vidas, o mundo, onde?
A minha inocência de criança me mostrava a rosa mais bela e eu a admirava e a achava perfeita…
Mas, quando crescemos descobrimos que até a mais pura beleza de uma rosa há espinhos e são tão perfurantes quanto os outros.
Infelizmente a beleza, a juventude e a inocência existem para serem perdidas.
Somos apenas fantoches alienados jogando um jogo sem fim, esperando sempre um final feliz, uma palavra de alento nas diversidades,
porém a mais clara verdade é a de não haver uma luz no fim do túnel.
Nossos heróis morreram no nascimento, são apenas devaneios que acariciam as mentes dos fracos!
Eu já usei estas mesmas armas para enganar minha mente, ilusões monitoradas que poderiam dizer “esta tudo bem, é verdade sim”,
mas meu coração nunca mentiu nem omitiu-me a dor das pedradas que o destino joga
Nunca quis admitir a fraqueza até senti-la corroendo meus restos de forças tentando incapacitar-me a seguir
Porém, que exemplo de ser humano seria eu? Um fracote, um medroso, um… pobre de espírito e fé que não acredita nem em sí mesmo?
Eu queria poder entrar em um mundo só meu onde tudo é perfeito e os sonhos se tornam realidade,
as pessoas ajudam umas às outras sem barganhas; como um autista talvez, mas a verdade que impera é a mesma que odiamos,
Sempre acordaremos em um mundo pior!
Portanto, farei jus ao que fala mais alto aqui dentro de mim, farei jus a verdade de quem sou e que nunca deixarei de ser para que o
resultado seja nada, para que o mundo continue piorando, não! Nunca! Farei juz a minha’lma sofredora de suas batalhas querida vida.
Hoje, eu levanto meus joelhos de seu sagrado solo e com poucas batidas da palma de minhas mãos calejadas de guerra, limpo sua poeira de passado;
Olhar sério, um pouco fechado e esquivo por medo ergo minha espada à sua altura e dou meu sinal… Pronto pra traçar uma linha e seguir adiante.
E mesmo que cada grão de areia no caminho se torne um obstáculo eu seguirei em frente e sempre levando comigo os tais calos de
conhecimentos que tornam os meus passos mais seguros.
Mesmo perdendo batalhas, enterrando esperanças e engolindo suor com sonhos, no fim hei de superar cada desafio.
Erguerei a espada e meu nome será lembrado; não como aquele inocente e maldito inglório, mas sim como o bravo guerreiro conquistador de sonhos
e que mostrou a todos que não é preciso apenas asas para voar alto e chegar onde se quer!
Eu sei que no início meu desejo era ser sábio, mas um pecador não tem esse espaço e nem há mais o desejo. A ambição ficou de lado e o orgulho…
Bem, o orgulho é mercadoria barata, coisa pouca que só estraga o que carregamos então teve de ser jogado fora.
No fim de tudo, no fim dos tempos, pelo resto de tempo que a ampulheta me concede, meu roteiro estará marcado na vida assim como ela está e
continuará sendo marcada em mim. Pois bem, antes de minha morte, deixarei escrito o ultimo recado, apenas o que me foi de valor, apenas o que
ficará nas vossas eternos laços de lembrança:
Ela não vem com dicionário, não vem com manual, ela apenas te guia exatamente aonde você precisa chegar!

Escrito por: Adriane Piran e Fellipe Côrte

8 comentários sobre “Sagacidade Humana

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s